NOTÍCIAS

SAÚDE

Aplicação de toxina botulínica na Odontologia é regulamentada

Com o avanço dos tratamentos odontológicos, novos recursos entram para o arsenal terapêutico da saúde bucal – entre eles, está a toxina botulínica. Mais conhecida por Botox, a substância acaba de ser regulamentada em Plenário do Conselho Federal de Odontologia (CFO) para a aplicação com fins terapêuticos funcionais e/ou estéticos pelos cirurgiões-dentistas.

Em reunião no dia 1 de setembro, o Plenário – composto por nove conselheiros efetivos e oito suplentes – aprovou por unanimidade, na sede do Conselho em Brasília, as resoluções que normatizam o uso da toxina botulínica e demais preenchedores faciais por cirurgiões-dentistas, contanto que não se extrapole a área anatômica de atuação do profissional.

“A discussão foi feita de forma responsável e aprofundada. Por possuir conhecimento sobre as estruturas da cabeça e pescoço, o cirurgião-dentista pode realizar procedimentos  na face e na cavidade oral de forma segura com a aplicação da toxina botulínica – desde que possua qualificação e conhecimento sobre sua utilização”, pontua Luiz Evaristo Ricci Volpato, presidente do Conselho Regional de Odontologia de Mato Grosso (CRO-MT).

Vale destacar que o uso da toxina botulínica na odontologia pode auxiliar no tratamento de bruxismo, hipertrofia do masseter, disfunções da ATM, sialorreia (excesso de salivação) – bem como em implantes de carga imediata. As novas resoluções deverão entrar em vigor após publicação do CFO, que acontecerá nos próximos dias.

STÓRICO – Em maio deste ano, o CFO convocou os Conselhos Regionais a fim de ampliar o debate sobre a regulamentação e uso da toxina botulínica. Em Mato Grosso, o CRO-MT reuniu uma comissão de especialistas na área e membros da entidade para agregar sugestões sobre o tema e contribuir na elaboração da proposta de uma nova resolução. Participam da Comissão de Toxina Botulínica os cirurgiões-dentistas João Milanez, Emílio Marquardt e Diogo Melo.

Foto: Reprodução

ZF PRESS - Assessoria de Imprensa

COMENTÁRIOS